Seminário da ASERGHC debate a Reforma da Previdência

Na noite de ontem (16) a ASERGHC promoveu um seminário sobre a importância da previdência pública. O evento, que ocorreu no Mezanino do Hospital Nossa Senhora da Conceição, reuniu trabalhadores de diferentes setores. O foco do encontro foi o debate sobre a Reforma da Previdência proposto pelo governo Bolsonaro (PSL).

Os advogados convidados Cristiano Ferreira e Luís Felipe Ávila, do escritório Paese, Ferreira & Advogados Associados, explicaram os riscos e as perdas para a população, caso a Reforma seja aprovada. Para Ferreira, um dos pontos cruciais é o Regime de Capitalização que acaba com o sistema solidário de contribuição entre o empregado, empregador e o Estado. A proposta cria o sistema de capitalização individual desresponsabilizando o Estado e gerando enormes lucros aos bancos. Ou seja, o modelo cria a privatização da aposentadoria e a contribuição passa a ser única e exclusivamente do trabalhador.

Ferreira ainda apresentou ponto-a-ponto como são as regras da aposentadoria atualmente e qual a proposta do governo. Entre as principais mudanças as que sofrerão maiores perdas estão:

-Trabalhadores da SAÚDE:
Atualmente são exigidos 25 anos de contribuição para os trabalhadores que exercem atividade especial, sem necessidade de comprovação de idade mínima e a aposentadoria equivale a 100% da média de 80% dos salários.

A proposta do governo é o sistema de pontos (idade + contribuição) que deve ser igual a 86 pontos para ambos os sexos e que haja mais 25 anos de contribuição, ou seja, na prática o trabalhador será obrigado a ter idade mínima de 61 anos para se aposentar. Além disso, o novo cálculo da aposentadoria será feito através de 60% da média dos maiores salários. Com isso, haverá uma perda de 40% do valor dos salários que hoje é garantido pela previdência e não será levado em conta o tempo de contribuição da aposentadoria especial.

-Aposentadoria por IDADE:
A Reforma aumenta a idade mínima para 62 anos para as mulheres e manterá 65 para os homens. Já o tempo de contribuição aumentará para 20 anos para ambos os sexos. Assim, aumentará o tempo de contribuição e diminuirá o valor do benefício.
-Contribuição por tempo de trabalho:
Atualmente é concedido para quem contribuiu para o INSS por 35 anos (homem) ou 30 anos (mulher). Não tem idade mínima.

Com a Reforma esta modalidade não existirá mais.

-Aposentadoria por invalidez:
Hoje é necessário carência mínima de 12 anos de contribuição e o valor recebido é referente a 100% da média de contribuição.

Com a Reforma, o valor do benefício cairá para 60% e será necessária contribuição de 20 anos ou mais.

-Benefícios de prestação continuada:
Atualmente equivale a renda de um salário-mínimo para idosos e deficientes que não possam se manter e não possam ser mantidos por suas famílias. É concedido para idosos acima de 65 anos.

A proposta é rebaixar o valor para R$ 400,00 para pessoas com 60 anos e um salário-mínimo para idosos com mais de 70 anos.

O regime que está sendo construído no Brasil já foi adotado por mais 30 países. No entanto, 18 já recuaram e comprovaram que as novas normas não são benéficas para os trabalhadores. É o caso do Chile, por exemplo, que implementou o mesmo modelo há 40 anos e hoje está enfrentando recordes de suicídio entre idosos que não conseguem se manter com o valor da aposentadoria.
Este é o momento de irmos às ruas, debater com os trabalhadores e defender a aposentadoria digna. Dia 14 de junho convocamos todas e todos para uma grande Greve Geral. Não é Reforma, é extinção da Aposentadoria!

Fotos: Júlia Matos/Comunicação ASERGHC

porno izle porno izle sikiş izle sex izle rus pornosu porno filimi Porno hikayeleri ücretsiz oyun hesapları 2021 oyun hileleri bedeva oyun hesapları bedava bilgi diyarbakır reklam diyarbakır matbaa