Operação do MPT investiga condições de trabalho no HNSC

Foi iniciada na manhã desta terça-feira, 18 de outubro, uma operação liderada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), a partir de denúncias do Sindisaúde-RS, com o objetivo de identificar eventuais problemas com a saúde dos trabalhadores do Hospital Conceição. A Força-tarefa é composta por equipes formadas por representantes do MPT, Centro de Referência da Saúde do Trabalhador (CEREST de Porto Alegre e municípios da região metropolitana), Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), Conselho Regional de Enfermagem (COREN), Sindisaúde-RS e Sindicato dos Enfermeiros (SERGS). A força-tarefa permanecerá fazendo inspeções e coletando documentos do HNSC até a próxima sexta-feira.
O objetivo da força-tarefa é “diagnosticar todos os problemas eventuais que existam e comprometam a saúde ou ponham em risco a integridade física e mental dos trabalhadores para apontar soluções visando a prevenção de acidentes e a promoção da saúde e o aumento da eficiência do trabalho”, declarou o Procurador do Ministério Público do Trabalho, Ricardo Garcia, que lidera a operação.
Segundo Garcia, o que motivou a ação foram três fatores. Em primeiro lugar, os levantamentos estatísticos da Organização Mundial do Trabalho (OIT) e da International Commission on Occupational Health (ICOH) que demonstram que o setor hospitalar é um dos que mais registram acidentes de trabalho no mundo, em especial com perfurocortantes e adoecimentos de coluna. Em segundo lugar, o Sindisaúde-RS provocou o MPT a respeito das condições específicas do Hospital Conceição, assim como a ASERGHC. E, em terceiro lugar, há vários inquéritos em andamento e os procuradores responsáveis estão no hospital para obter informações.
O Presidente da ASERGHC, Valmor Guedes, que integra a Força Tarefa representando também o SINDISAÚDE-RS, declarou ter esperança que, depois de tantas denúncias apresentadas pela Associação e pelo Sindicato ao Ministério Público, essa operação possa levar à melhoria efetiva das condições de trabalho dos funcionários do Hospital. Valmor apelou às autoridades para observarem as questões ergonômicas e relativas ao dimensionamento de pessoal.
Entre os problemas já apontados por denúncias da ASERGHC figuram a insuficiência das equipes de enfermeiros/as e técnicos/as nas emergências, UTIs e áreas de internação. Aparecem também as péssimas condições de macas, cadeiras de rodas e equipamentos que demonstram as condições precárias oferecidas pelo Hospital para o exercício da profissão. Essa situação provoca altos índices de adoecimentos e consequentes afastamentos.
O Presidente da ASERGHC chamou também a atenção para o subdimensionamento da área de nutrição. Em alguns casos, um/a atendente sozinho/a serve alimentos a um andar inteiro, quando deveriam ser dois ou mais . “É trabalho demais para uma única pessoa”, protestou Valmor.

porno izle porno izle sikiş izle sex izle rus pornosu porno filimi Porno hikayeleri ücretsiz oyun hesapları 2021 oyun hileleri bedeva oyun hesapları bedava bilgi diyarbakır reklam diyarbakır matbaa