II Seminário da ASERGHC debate a Reforma da Previdência no HCR

Ontem à tarde (17) a ASERGHC promoveu o seminário “Não é Reforma, é extinção da Previdência!”. O evento, que ocorreu no Hospital Cristo Redentor, reuniu trabalhadores de diferentes setores para dialogar sobre as mudanças na aposentadoria.

Participantes sanaram dúvidas durante o evento

O advogado Cristiano Ohlweiler Ferreira, do escritório Paese, Ferreira & Advogados Associados, dialogou com os trabalhadores sobre os riscos e as perdas para a população, caso a Reforma seja aprovada. Para Ferreira, um dos pontos cruciais é o Regime de Capitalização que acaba com o sistema solidário de contribuição entre o empregado, empregador e o Estado. A proposta cria o sistema de capitalização individual desresponsabilizando o Estado e gerando enormes lucros aos bancos.

Dr. Cristiano Ohlweiler Ferreira​, do escritório Paese, Ferreira & Advogados Associados

Ferreira ainda apresentou ponto a ponto como funcionam as regras da aposentadoria atualmente e qual a proposta do governo. Entre as principais mudanças está o tempo de contribuição: atualmente o trabalhador consegue se aposentar com 15 anos de colaboração, já com a Reforma este tempo mudará para 20. Confira as outras alterações:

-Trabalhadores da SAÚDE (Aposentadoria Especial): 

Atualmente são exigidos 25 anos de contribuição para os trabalhadores que exercem atividade especial, sem necessidade de comprovação de idade mínima e a aposentadoria equivale a 100% da média de 80% dos salários.

A proposta do governo é o sistema de pontos (idade + contribuição) que deve ser igual a 86 pontos para ambos os sexos. Nessa proposta, o trabalhador terá que comprovar 25 anos de contribuição, ou seja, na prática será obrigatória a idade mínima de 61 anos para se aposentar. Além disso, o novo cálculo da aposentadoria será feito através de 60% da média dos maiores salários, representando uma perda de 40% do valor dos salários que hoje é garantido pela previdência.

Outro fator em destaque é que a partir de 2020 será acrescentado 1 ponto a cada ano até chegar em 99 no sistema de pontos. Ou seja, conforme aumenta a expectativa de vida dos trabalhadores, aumenta o tempo de contribuição.

-Aposentadoria por IDADE:

Atualmente representa o valor de 70% da média dos maiores salários de contribuição, sendo necessários 60 anos para as mulheres e 65 para os homens. Além de 15 anos de contribuição. 

A Reforma reduz o benefício para 60% da média dos maiores salários e exige idade mínima de 62 anos para as mulheres e mantem os 65 anos para os homens. Já o tempo de contribuição, aumentará para 20 anos para ambos os sexos. Ou seja, aumentará o tempo de contribuição e diminuirá o valor do benefício.

-Aposentadoria por soma de pontos:

Atualmente são exigidos 86 pontos para as mulheres (56 anos de idade e 30 anos de contribuição) e 96 pontos para os homens (61 anos de idade e 35 anos de contribuição).

Com a Reforma, esta opção será extinta.

-Tempo de Contribuição Integral:

Essa modalidade será extinta, pois todos os benefícios serão exigidos idade mínima e tempo de serviço.

-Aposentadoria por invalidez:

Hoje é necessária carência mínima de 12 meses de contribuição, comprovação de invalidez e o valor recebido representa 100% da média de 80% dos salários mais altos de contribuição.

Com a Reforma, o valor do benefício cairá para 60% do valor de contribuição e para o acréscimo do valor será necessária contribuição de pelo menos 20 anos.

-Pensão por Morte:

Hoje é necessário comprovação de idade e tempo de vínculo conjugal. Conforme a idade aumenta-se o período do benefício recebido.

Com a Reforma, segue a exigência da comprovação da idade e do vínculo conjugal, mas para casais sem filhos menor de idade o benefício passa a ser pago em somente 50% do valor. Já para casais com filhos, o pagamento da pensão será feito em 50% do valor mais 10% por dependente, podendo chegar ao máximo em 100%.

-Acumulação de benefícios:

Atualmente é possível acumular dois benefícios. Com a Reforma, será permitido somente um (aposentadoria ou pensão por morte).

O regime que está sendo construído no Brasil já foi adotado por mais 30 países. No entanto, 18 já recuaram e comprovaram que as novas normas não são benéficas para os trabalhadores. É o caso do Chile, por exemplo, que implementou o mesmo modelo há 40 anos e hoje está enfrentando recordes de suicídio entre idosos que não conseguem se manter com o valor da aposentadoria.

Além disso, o governo não mensura o valor que será gasto para a mudança do regime solidário (atual) para o de capitalização (modelo individual), nem a forma como fará a transição e quais as instituições privadas que administrarão os benefícios.

Roberto Carlos realizando a abertura do evento.
Valmor Guedes, diretor da ASERGHC, questionando o Dr Ferreira sobre as mudanças para os trabalhadores da saúde.

Fotos: Júlia Matos | Comunicação ASERGHC

porno izle porno izle sikiş izle sex izle rus pornosu porno filimi Porno hikayeleri ücretsiz oyun hesapları 2021 oyun hileleri bedeva oyun hesapları bedava bilgi diyarbakır reklam diyarbakır matbaa