Entrevista com Fernando Maia, petroleiro e presidente do Sindipetro-RS

A ASERGHC conversou com o presidente do sindicato dos petroleiros do RS, Fernando Maia. Confira a entrevista e fique por dentro da greve nacional dos petroleiros que já atinge 118 unidades no país, segundo levantamento da Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Na próxima terça-feira, dia 18, o movimento grevista prepara uma grande marcha no centro do Rio de Janeiro. Enquanto isso, a direção da Petrobrás nega o diálogo com a categoria, e tenta reprimir os trabalhadores judicialmente.

 

ASERGHC – A patronal quer demitir mil trabalhadores da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), no Paraná. Qual a justificativa para a demissão em massa e qual o impacto dessa medida na categoria?

Fernando Maia – A Petrobrás definiu pelo fechamento da Fafen e demitir todos os empregados. No acordo coletivo de trabalho (ACT), assinado em novembro de 2019, está escrito:

“Cláusula 26. Excedente de Pessoal – A Companhia assegura, nos casos em que haja excedente de pessoal decorrente de reestruturações e/ou redução de atividades, buscar realocar o pessoal em outras unidades da Companhia, promovendo treinamento e requalificação quando necessário.

Parágrafo 3° – A Companhia não promoverá despedida coletiva ou plúrima, motivada ou imotivada, nem rotatividade de pessoal (turnover), sem prévia discussão com as Entidades Sindicais. I. Excetuam-se do previsto no parágrafo acima os planos de demissão voluntária ou incentivada, bem como os processos de movimentação interna dos empregados.”

Ou seja, seja descumprindo o ACT. Descumprindo este ACT, poderá descumprir qualquer um!

 

ASERGHC – O governo federal tem passado, nos últimos anos, partes da Petrobrás para iniciativa privada. O que a privatização total da empresa pode significar para a população e para a economia do país?

Maia – Diretamente para o povo, aumento dos preços de derivados (diesel, gasolina, GLP…) e produtos (asfalto, petroquímicos), redução de empregos e renda dos trabalhadores, precarização nas relações de trabalho, saúde e segurança.

Na economia do País, redução drástica de investimentos na área de refino, redução na geração de impostos e distribuição de renda, deficiência no suprimento de derivados nas área/regiões mais distantes.

 

 

ASERGHC – Quais os resultados da terceirização nas atividades da Petrobrás e para os petroleiros?

Maia – Precarização das condições de trabalho, redução na qualificação dos profissionais da área, redução nas condições de saúde e segurança no trabalho, além da redução drástica na renda.

 

 

ASERGHC – Como a patronal tem desrespeitado os direitos do Acordo Coletivo dos petroleiros?

Maia – No ACT, ficaram definidos grupos de trabalho e comissões para elaborar mudanças nas tabelas de turno (regime de trabalho e distribuição de jornadas, durante os dias da semana/mês/ano), regras para pagamento de participações de lucros e resultados e alterações nos sistemas de registro de cartão ponto. Isso gera distorções na extensões de jornada e coloca os trabalhadores em condições inseguras, sem o devido registro de entrada nas unidades operacionais.

 

Presidente da ASERGHC, Arlindo Ritter, esteve no piquete dos petroleiros da REFAP, em Canoas.

ASERGHC – Os petroleiros têm construído atividades de mobilização e diálogo com a sociedade, como a venda de gás de cozinha subsidiado por R$ 40,00. Como vocês percebem o apoio a essas ações?

Maia – Por parte da sociedade, nos locais em que ocorreram essas atividades, a aceitação e a compreensão do que nos propusemos a esclarecer foi muito exitosa e podemos mostrar a importância de termos uma Petrobrás pública e voltada a atender as necessidades da população. Também procuramos esclarecer que há, sim, possibilidade de a Petrobrás praticar preços mais baixos, praticando subsídio na venda de GLP (gás de cozinha), sem grandes impactos no desempenho econômico da empresa.

 

ASERGHC – O que as demais categorias de trabalhadores e sindicatos podem fazer para apoiar essa luta?

Maia – Todo apoio é muito bem vindo e a divulgação do que estamos fazendo, para tentar quebrar as barreiras que a mídia hegemônica tem feito a nossa greve, são muito importantes. Mas, as demais categorias, principalmente aquelas que têm sido sistematicamente atacadas pelo atual governo, deveriam unir-se a nossa greve e construirmos uma grande greve nacional contra o desemprego, a desindustrialização, os ataques aos servidores públicos e a desnacionalização industrial, para barrar todo esse processo de desmonte e desestruturação da nossa economia.

Fotos e entrevista: Comunicação ASERGHC/Nathália Bittencurt

porno izle porno izle sikiş izle sex izle rus pornosu porno filimi Porno hikayeleri ücretsiz oyun hesapları 2021 oyun hileleri bedeva oyun hesapları bedava bilgi diyarbakır reklam diyarbakır matbaa