ASERGHC presente na luta pela aposentadoria digna

Na última Sexta-feira, dia 22, a Aserghc, em conjunto com o Sindisaúde e representantes do Sindifars, organizaram um dia de debate com os trabalhadores da saúde do GHC e usuários do SUS. A mobilização faz parte do Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, evento que ocorreu em diferentes capitais do país para conscientizar a população sobre a importância da previdência pública, composta pela contribuição dos trabalhadores, empresas e governo.

Durante a manhã, diretores da Aserghc estiveram presentes nos Hospitais Conceição, Cristo Redentor e Fêmina para dialogar com os colegas e usuários. Também foram distribuídas carta aberta, camisetas e adesivos.

A Aserghc organizou ainda uma aula pública, junto com o escritório Paese, Ferreira & Advogados Associados, sobre os malefícios da Reforma. Os advogados convidados Cristiano Ferreira e Luis Felipe Ávila explicaram como os trabalhadores da saúde serão um dos mais atingidos, pois a proposta de Bolsonaro (PSL) acaba com a aposentadoria especial obrigando todos os trabalhadores a contribuir por no mínimo 40 anos ininterruptamente.

Dentre as propostas do governo com a Reforma da Previdência estão:

O modelo de capitalização individual, o mesmo que foi implementado no Chile em 1981. Atualmente, nove em cada dez aposentados no país recebem o equivalente a menos de 60% de um salário mínimo, causando um dos principais motivos de miséria e suicídio entre os idosos. Além disso, o modelo representa uma espécie de poupança individual, ou seja, o trabalhador contribuirá sozinho para a sua aposentadoria. Essa proposta beneficiará os bancos privados, que não terão a obrigação de pagar a contribuição integral do trabalhador.

Aumento da idade mínima para se aposentar, sendo de 62 anos para as mulheres e 65 para os homens. As mulheres, que já exercem tripla jornada com o cuidado da casa, família e trabalho, precisarão aumentar seu tempo de contribuição.

O tempo mínimo de contribuição aumentará de 15 para 20 anos para receber somente 60% do benefício integral. Já para receber 100% será necessário pelo menos 40 anos de contribuição. Há uma grande parcela dos trabalhadores que estão inseridos no mercado informal, em que não há garantias de emprego. Aposentadoria é um direito e não pode ser tratada como privilégio de poucos!

O FGTS não será mais depositado para aqueles que já são aposentados e escolheram continuar trabalhando na mesma empresa. Também será excluído o direito de receber a multa de 40% sobre os depósitos efetuados no FGTS.

No final do dia, Aserghc, sindicatos e centrais sindicais participaram do ato contra a Reforma da Previdência na Esquina Democrática no centro de Porto Alegre. O evento terminou em caminhada até o Largo Zumbi dos Palmares, com centenas de trabalhadores reivindicando a permanência da aposentadoria pública. Foi o primeiro passo na resistência contra a Reforma. Seguiremos mobilizados e unidos para barrar esse projeto na Câmara e no Senado.

Não é reforma, é extinção da previdência!

Confira mais fotos do dia de mobilização:

Fotos: Júlia Matos e Nathália Bittencurt / Comunicação ASERGHC

porno izle porno izle sikiş izle sex izle rus pornosu porno filimi Porno hikayeleri ücretsiz oyun hesapları 2021 oyun hileleri bedeva oyun hesapları bedava bilgi diyarbakır reklam diyarbakır matbaa